10 de janeiro de 2017

Quando Deus Não Fala

Ézio Pereira da Silva


Resultado de imagem para silencio de Deus O silêncio de Deus é uma das maiores, mais frequentes e instrutivas respostas que ele nos dá.

Por que Deus não fala conosco nos avisando da aproximação de um perigo iminente?

Por exemplo: ele está vendo quando um veículo se aproxima e colide com o seu, você quase morre, é levado para um hospital, passa grande sofrimento, dores, perigos de morte, muita agonia, além de enormes prejuízos financeiros.

Por que ele, de alguma forma, não fez você saber antes? Se o avisasse, você poderia ter chances de evitar o acidente.

Ou, quem sabe, poderia ter enviado um anjo para livrar você do ocorrido. Não está escrito que os anjos de Deus são espíritos ministradores enviados em favor dos que hão de herdar a salvação? Hebreus 1.14.

Também que não deixará que tropeces nalguma pedra e guarda em todos os seus caminhos? Salmo 91.11-12.

Ou será que ele fala e não damos ouvidos? Não escutamos? Parece que esse fato é bem frequente. 
Pedro foi advertido. Adiantou? De certa forma e de imediato, não! Ele perigosamente negou o Senhor. 

Apesar de que, de outra forma, sim, visto que ele teve o privilégio de saber e entender que Jesus era quem afirmava ser: O Filho de Deus. Mas, isso já foi remendo, numa ação misericordiosa de Deus. No entanto, para Pedro, primeiramente ele não ouviu.

Pense nesse exemplo. Um AVC (Acidente Vascular Cerebral) não acontece de repente. É um processo lento. Começa com a formação de um coágulo de sangue que caminha lentamente, em direção ao cérebro, e termina provocando um acidente, muitas vezes mortal. Quando não, pode causar sequelas gravíssimas.

Deus estava vendo tudo nitidamente, de maneira total e perfeita, desde antes do processo ter sido iniciado.

Por que Deus não avisou a Davi sobre o incidente com Bate-Seba? Por que Davi não foi prevenido antes do perigo eminente? Será que não foi?

Por que Acã não foi advertido antes de se apropriar dos objetos proibidos? Fato que causou a morte dele e de seus familiares. Neste caso, ele já sabia.

Com raras e excepcionalíssimas exceções, podemos estar certos de que, de alguma forma e na grande maioria das vezes, Deus anuncia os seus avisos.

Quando Deus fala, nós, realmente, ouvimos? Aqueles que vivem em comunhão íntima e contínua com Deus, possuem maiores e infinitas chances de ouvir sua voz, no íntimo ou de uma outra maneira qualquer, através de circunstâncias diversas.

E quando Deus não fala ou pensamos que ele não fala? Bem! Essa é uma questão muito ampla. Possui uma quantidade enorme de respostas, com desdobramentos variados.

"Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça." - Is 59.1-2.

O pecado pode ser um das razões do silêncio de Deus. Esse deve ser considerado como um dos mais comuns e importantes motivos para a recusa de Deus em falar e fazer. Ou seja, a resposta de Deus, nesse caso, é bloqueada pelo pecado.

Caso o motivo não seja pecado, é imprescindível ter a certeza de que Deus não falou. Dificilmente ocorre de ele não falar. É quase impossível que ele não tenha falado. O comum é ele falar e nós, por razões diversas, não ouvirmos. 

E quando ouvimos, não damos a devida atenção. Isso, quando não desdenhamos e fazemos pouco caso, dando pouca importância à sua voz. Tudo isso nos leva a lamentos posteriores.

Se, porém, seu silêncio se confirme, necessário se faz saber o motivo pelo qual ele preferiu não se manifestar. É certo que há várias razões, ou pelo menos uma, pela quais ele deixa de falar.

Entre outras, a falta de comunhão com Deus e com os irmãos, a distração, as preocupações paralelas, os interesses mundanos, a obstinação com relação à Palavra de Deus, a falta de oração, de quebrantamento, a inquietação, etc. Todas essas coisas são obstáculos para se ouvir a voz de Deus.

Por último, não poderia deixar de mencionar a falta de perdão, de perdoar. Essa é uma razão fortíssima para o silêncio de Deus.

Quando Deus não faz ou não fala, suas razões são as mais diversas. 

Algumas das possíveis formas de Deus responder às orações:

Sim! Vai fazer (responder) do jeito que foi pedido.
Sim! Vai fazer (responder) de maneira diferente.
Não! Falou (respondeu) mas, sua resposta, em vez do silêncio, é negativa.
Sim! Vai atender o que foi pedido mas, não agora. A orientação é: Espere!
Sim! Fará o que foi pedido mas, em parte.
Sim! Vai fazer conforme foi pedido mas, condicionado a perdão, reconciliação, restituição, confissão, etc.
Sim! Vai atender em parte, condicionado a perdão, reconciliação, restituição, confissão, etc.

Nesses exemplos, dá para perceber que, na maioria das vezes, a resposta é: sim!?
É, na verdade, sim, o que é muito animador. Porém, possui condições a serem atendidas.

Quando Deus silencia, há motivos mais que justos para Ele assim o fazer. 

De nossa parte, precisamos entender que devemos buscar, com humildade, as razões de Deus para o tipo e qualidade de suas respostas, além de procurar compreender o tempo de espera e as motivações dos nossos corações.

"Bom é aguardar a salvação do Senhor, e isso, em silêncio." - Lm 3.26.