19 de julho de 2014

Ainda a Copa!

Ézio Pereira da Silva

Na semana passada, 08 de Julho, grande parte do mundo esportivo contemplou, com espantosa admiração e perplexidade, a seleção brasileira de futebol, até então uma das favoritas e jogando no seu próprio País, ser desclassificada, pela seleção alemã, numa fragorosa derrota de goleada, jamais sofrida em sua história.

Algumas considerações sobre o futebol, em especial o brasileiro, e a Copa do Mundo de 2014.

Para muitos, o futebol deixou de ser um esporte para se tornar um deus, um ídolo que precisa ser cultuado e adorado a qualquer custo.

Para outros, deixou de ser uma diversão salutar para se transformar em guerrilhas. Vide as torcidas organizadas.

Um bom número de pessoas o consideram, apenas, uma organização com fonte de lucros milionários e de alta e generalizada corrupção.

Ainda para outros, parece ser a única razão de viver.

No âmbito governamental, a presidente Dilma, muito provavelmente, iria reivindicar dividendos políticos para sua reeleição em cima da esperada conquista, pelo Brasil, da Copa de 2014.

A vitória de uma seleção brasileira em uma copa do mundo, há muito tem sido fundamentada no orgulho e na vaidade, na presunção de que ela é melhor que as demais. Inclusive, na de 2014.

Não foi!

Nesse contexto, o Brasil certamente foi humilhado.

É preciso considerar o tipo de humilhação imposto ao Brasil. Isso é muito significativo e deve levar-nos a refletir com seriedade e sem emocionalismo, a razão por que somos agora motivo de chacota em várias partes do mundo.

Deus pode ter interferido nisso, dado o exagero de boa parte dos brasileiros. Não estou fazendo uma afirmação. Apenas dizendo que há possibilidades de isso ter ocorrido.

Estou pensando nisso por algumas razões:

1) O governo.
Dilma já falou que a derrota da seleção brasileira nada tem a ver com as obras do governo, o que não deveria ser falso, mas verdade.
Entretanto, imagine o que ela, ajudada por Lula e o PT, iria fazer, caso, a seleção brasileira conquistasse o campeonato!
O seu discurso como candidata, penso eu, estaria, em sua maior parte, centrado na conquista do Hexa, como se a copa tivesse sido ganha por ela.

O ataque verbal e discursivo contra os seus oponentes à sua reeleição, estaria eivado de frases de efeito. Posso imaginar algumas.
"Os nossos adversários e os que possuem o complexo de vira-latas, contrários ao nosso governo, nos criticaram dizendo que a copa não iria dar certo".
"Mas, olhem só como estavam errados e nós, o governo, certos! O Brasil ganhou! Somos Hexa! Como nossos adversários estavam errados, também estão errados em criticar o nosso governo".
"Portanto, não deixem ser levados pelos nossos adversários! Tenham confiança em nós! Vote em nós!Assim como mostramos que tínhamos razão a respeito da Copa, também somos a melhor opção para governar o Brasil".
"Da maneira como ganhamos a Copa, vamos ganhar as eleições. As brasileiras e os brasileiros estão do nosso lado".

Se o Brasil ganhasse a copa não seria mais ou menos isso que iria acontecer? Alguém pode duvidar!

Mas, o Brasil perdeu e o governo não pode lucrar em cima da vitória que não veio.

2) A idolatria e a violência.
Já não estamos considerando o futebol apenas como uma diversão, mas transformamos esse esporte em uma idolatria generalizada, de dimensão nacional.
Deixou, já faz um bom tempo, de ser um prazeroso esporte para se tornar causa de enorme envolvimento emocional, sofrimento e consternação. 
Pessoas desesperadas e sentindo, diante de uma derrota, como se o futebol fosse tudo para elas; chorando frustradas, como se tudo tivesse acabado na vida. Algo semelhante às mulheres que, no templo em Jerusalém, choravam a Tammuz, uma divindade sumeriana, nos tempos do profeta Ezequiel - Ez 8.14.

O futebol tornou-se uma fábrica de rivalidades dementes, doentias; pessoas se iram contra outras, a ponto de se matarem. Formam-se torcidas marginalmente organizadas.

O ódio sendo acirrado ao extremo. Uma idiota e insana rivalidade entre argentinos e brasileiros (Não venham me dizer que é só no futebol e nos esportes, não! Passou a ser generalizado!). Pessoas querendo matar o Zúñiga, lateral colombiano que contundiu o Neymar.

3) A religião
Deus é brasileiro! Brincadeira (será só brincadeira, mesmo!??) totalmente despropositada, sem gosto e blasfema. 
Que querem dizer com isso? Que Deus é a favor do Brasil e despreza os outros? É contra os outros? Só age em favor do Brasil? Só protege o Brasil?

Dezenas de orações foram feitas nos gramados e fora deles. Pergunto: em favor de quem e contra quem? Em detrimento de quem? Para que Deus faça com que eu ganhe e os meus adversários percam? Que insensatez e insanidade é essa?! Acordem!

Ora! Para que Deus me faça ganhar, Ele mesmo é obrigado a fazer os outros perderem! É justo isso? Por que teria de ser assim? Por acaso, pensam que podem manipular a Deus?

Por essas razões, penso (apenas penso) que o Senhor Deus, pode ter interferido nesse contexto, para acabar com essa idolatria e produzir, no momento certo, um vexame mundial aos brasileiros, através dos mesmos meios que muitos veneram: o futebol; a copa do mundo! 

Foi muito esquisito aquilo! Impensável, inacreditável e, para muitos, inaceitável até agora.

No entanto, era necessário começar a mudar essa coisa, que já tem extrapolado os limites da sensatez e se tornado uma loucura das massas.

Alguém poderia dizer: - "Ah! Deus não faria isso!" Eu respondo: é mesmo?! Tem certeza disso? Por que não?

A Bíblia ensina que "A soberba precede a ruína, e a altivez de espírito a queda" - Pv 16.18. 
Quem é que não sabe que a nação brasileira se tornou ensoberbecida, orgulhosa com o seu futebol? Pensava que era o melhor do mundo. 
Acreditava, de fato, nesse falso e enganoso sentimento de superioridade. 
Era necessário quebrar a sua crista. Entendo que já estava na hora de dar um basta nisso tudo; de ser abalada essa presunção e vaidade brasileiras.

Essa coisa de dizer "eu sou brasileiro e torço pelo Brasil", não quer dizer, absolutamente, nada! É apenas ufania inconsequente, disfarçada em patriotismo.
Eu também sou brasileiro! Amo o meu País! Mas..., e daí? O que tem a ver tudo isso com o Brasil? Nada!

É disso que o Brasil precisa?

Se você ama o Brasil e é patriota de verdade, faça alguma coisa útil por ele. Estenda as suas mãos em favor da eliminação ou, pelo menos, da redução da miséria em que vivem muitos brasileiros! Faça algo em favor dos dependentes químicos! Lute para o fim das vergonhosas cracolândias em nossa nação; dos escravos de várias matizes; dos marginalizados pela sociedade.

Faça alguma coisa contra a imoralidade e a prostituição infantil; contra a violência. Faça algo em favor dos que ainda não foram salvos.
Levante a sua voz contra a corrupção e os desmandos do nosso governo e em favor da sociedade. Isso, sim, é ser brasileiro e amar o Brasil e o seu povo.

Depois da eliminação do Brasil, compadeci-me, de uma forma geral, da nação brasileira; por ver alguns rostos extremamente decepcionados. 
Estavam colocando sua esperança em quê? 
A esperança estava na vitória da seleção brasileira. 
A frustração e a comoção eram muito fortes e de dar pena! 

Lembrei-me da palavra do evangelho: "Vendo ele (Jesus) as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor." - Mt 9.36.

De que serve uma vitória na copa do mundo? Comemora-se e depois, nada mais! Apenas o sabor da vitória! Nada acrescenta de valor real na vida.

Como as pessoas precisam de uma esperança nova e de uma alegria permanente!

Deus tem para a nação brasileira algo muitíssimo melhor e de valor incomparavelmente maior do que, simplesmente, uma vitória em uma copa do mundo.

Eu creio, de todo o coração, que é disso que o Brasil precisa!